ISDIN – Entrevista realizada à Dra. Alexandra Osório

entrevista (1)

Primeiramente, o dia de hoje começa com um artigo sobre uma entrevista realizada à Dra. Alexandra Osório através da marca ISDIN. A ISDIN é uma marca de dermocosmética que combina a máxima eficácia e segurança com texturas inovadoras. Preocupada com a saúde da pele, foi criada uma ampla gama de produtos para proteger e reparar qualquer tipo de dano. 

Na entrevista foram realizadas 4 perguntas, onde a Dra. Alexandra Osório respondeu com sinceridade e com muito orgulho por estar a realizar este projeto. Palavras ditas pela doutora, aqui se encontra a grande entrevista de sucesso:

“O que mais a apaixona no seu trabalho?”

“A diversidade da minha atividade: nenhum dia é igual ao outro. Existem doentes com diferentes patologias onde, de meia em meia hora estão aqui para os atender. Considero também, a diversidade de produtos, pois, costumam sair para o mercado todos os meses diferentes produtos: mais evoluídos. 

Passei por 3 especialidades diferentes e por isso, adquiri uma diversidade enorme do meu know-how, sendo elas a Cirurgia Geral, Plástica Dermatovenereologia com uma subespecialização em Dermatologia Estética Avançada e finalmente com Doutoramento Internacional sobre Qualidade de Vida dos Doentes Oncológicos. Além de 2 Masters Internacionais na área da Dermatologia.

Amar muito o que faço, transmite-me alegria, ânimo e uma enorme criatividade. Os tratamentos que se podem fazer com as especialidades, são ilimitadas. Há sempre evolução, desenvolvimento, criação, estudos. Independência do caminho, como cientista, médica e como pessoa. A independência existe desde o início. Nem tudo são rosas, mas o caminho faz-se caminhando com passos seguros e firmes com muita sustentabilidade científica.

Inicialmente, criei uma empresa com sustentabilidade de modo que tenha o gosto de criar novos tratamentos inovadores, criar soluções inovadoras para problemas que ninguém ainda pensou fazer e ter a liberdade de implementação e fazer o bem para os outros.

Certamente que, acordo todos os dias feliz por saber que vou ajudar muitos doentes a ficarem felizes. Não posso deixar de referir que tudo é bem pensado na minha mente e que resulta de tudo o que fui juntando durante os largos anos de intenso estudo, em que a minha vida pessoal ficou adiada e pela qual voltaria a fazer os mesmos sacrifícios.”

“Quando ou como se apercebeu que queria trabalhar na ciência?”

“Na entrevista, a doutora referiu que, “desde muito pequena que queria ser médica. Tudo começou quando eu ia ao dentista para colocar um aparelho nos dentes. Nunca sofri com caries era só mesmo colocar um aparelho. Cheguei mesmo a sonhar ser dentista. Brincava constantemente com a minha irmã aos médicos.

Certo dia, encontrava-se na cozinha um esquema com “Como arranjar um frango para fazer frango fricassé”. Ora estudei o assunto, e foi aí que eu e a minha mãe nos apercebemos a minha paixão pela cirurgia pois, limpei a galinha e cortei-a sem sujar nada. A sensação foi espetacular! Eu já fazia muitos trabalhos manuais – cestos de verga, bordava, cozia a máquina, fazia tapeçarias, puzzles … enfim … dotada com as mãos associada a um estado de bem-estar interno. 

A galinha ficou tão limpa como a minha mãe nunca viu ninguém fazer….. que me disse espantada: tu tens jeito para a cirurgia meu amor. Ela disse isso pois eu desde cedo que cuidava dos outros, era atenciosa, amorosa e tinha uma enorme compaixão pelos outros e uma capacidade para estar sentada a ler ao pé de quem na família estava doente, e de quem eu cuidava sempre. Era um prazer inato.

Como a minha mãe era professora e orientadora escolar – projetou-me no meu futuro – lembro-me de me dizer: o teu cérebro só vai ficar satisfeito se fores para medicina; pois terás muito que te entreter e a ciência esta sempre e evolução por isso vais poder viajar muito e aprender muitas coisas o que trará felicidade. Foi assim que lutei desde muito cedo para ser a melhor a nível nacional para entrar em medicina e consegui.”

“Que mensagem gostaria de transmitir aos jovens que pensam seguir uma carreira dedicada à ciência?”

“Temos de sentir o coração e saber, principalmente, que gostamos de ter a ciência na nossa vida. É uma vida de dedicação e sacrifícios, onde a prioridade não é ter o retorno mas sim, o prazer de viver com a ciência. O Amor por esse estilo de vida é fundamental e o mais realista possível.”

“Refira algo que normalmente as pessoas pensam do seu dia a dia que não está correto ou que é muito diferente do que a maioria imagina”

“Provavelmente pensam que não há dias em que eu faço outras coisas que não seja ciência, de modo a criar condições para que haja cada vez mais dias dedicados à minha paixão.

O meu caminho exigiu que eu me tornasse uma Empresária – só assim pude criar condições para fazer o que gosto. Aprendi muito sobre relações humanas e recrutamento pessoal, sobre leis do trabalho, sobre obras e decoração, sobre as legislações em vigor e sua implementação. E sobre a constante preocupação em evoluir e inovar para nunca ficar desatualizada e a minha empresa ser competitiva e muito procurada.

O dia a dia de quem é médico e tem uma clínica, é um dia a dia polivalente e abrangente que implica uma elevada organização e estrutura bem montada para delegar e em conjunto fazer as coisas acontecer. O caminho faz-se caminhando e acredito que podemos todos os dias ser mais e melhores, com dedicação e com paixão ao que fazemos.”

Mais uma entrevista realizada com sucesso. Siga o nosso trabalho através das nossas redes sociais Facebook, e Instagram e explore o nosso blog para ficar a par de tudo!

Partilhar