Tem dúvidas? Deixe-nos o seu contacto

RAIOS SOLARES UVB E UVA — QUAIS OS EFEITOS NA PELE?

O corpo humano foi feito para estar ao sol: a exposição solar melhora o nosso humor, fortalece o sistema imunitário e ajuda-nos a dormir melhor. No entanto, tudo o que é em excesso faz mal, pelo que há cuidados a ter para evitar os efeitos nocivos do sol na pele. Os Raios UVB e UVA são algo a que deverá prestar atenção.

Naturalmente, o protetor solar faz parte de qualquer passeio de verão, mas este cuidado não se deveria restringir só aos meses mais quentes. A verdade é que os raios solares têm efeitos negativos durante todo o ano, até no inverno!

O primeiro passo para chegar à solução é perceber ao certo quais os efeitos do sol na pele.

A radiação emitida pelo sol é composta por ondas eletromagnéticas de diversos comprimentos. Ao conjunto dessas ondas é dado o nome de espectro luminoso. A luz que podemos ver, chamada de luz visível, corresponde apenas a uma pequena faixa do espectro e vai do comprimento de onda vermelho até ao violeta. As ondas abaixo do vermelho são denominadas de raios infravermelhos e aquelas acima do violeta correspondem à radiação ultravioleta. Esses tipos de raios não são visíveis ao olho humano.

Raios UVB: queimaduras solares na superfície da pele

Os raios UVB são os que contribuem para uma tez bronzeada, mas são também responsáveis pelas queimaduras e pelo cancro da pele. Ainda que a proporção de raios UVB seja maior nos meses de verão, saiba que estes continuam presentes no inverno e afetam diretamente as camadas exteriores da pele. Um protetor solar com FPS (Fator de Proteção Solar) elevado ajuda a bloquear os raios UVB e, assim, previne as queimaduras solares (que muitas vezes originam também bolhas e cicatrizes).

 

Raios UVA: envelhecimento precoce da pele

Ao contrário dos raios UVB, os raios UVA penetram a pele até às camadas mais profundas e causam rugas, manchas e outros efeitos normalmente associados ao envelhecimento. Estes raios UVA também são mais difíceis de evitar, mesmo à sombra e durante o inverno, pois conseguem atravessar facilmente a camada de ozono, qualquer nebulosidade e até os vidros das janelas.

 

A solução: o protetor solar certo

Como vimos, um protetor solar com FPS de 30 ou mais é eficaz na proteção contra os raios UVB, mas os raios UVA são ligeiramente mais complexos. Parte do problema é que os raios UVA continuam quase tão intensos no inverno como no verão, e os danos na pele fazem-se sentir a longo prazo. A agravante é que nem todos os protetores solares oferecem proteção contra os raios UVA, e é por isso que é tão importante escolher o produto indicado para a sua pele e aplicá-lo todos os dias.

 

Marque uma consulta de dermatologia na Clínica DermAge e fique a saber qual o protetor solar perfeito para a sua pele e para o seu estilo de vida!

Comentar